Os Kai-kais de Mouzar Benedito


O jornalista Mouzar Benedito publicou recentemente alguns “pós-conceitos” válidos para os tempos atuais, e depois alguns “desaforismos”.  Agora, publica seus “kai-kais”, que são uns “desaforismos” imitando haicais. Mouzar esclarece que, embora sejam também válidos para os tempos atuais, muitos não são de agora: foram publicados há tempos em seu blog e em outros lugares.


Na mesma canoa,
Uns remam,
Outros ficam à toa.

***

Tem quem ache certo
Toda a floresta
Virar deserto.

***

A poder de chumbo
Governos bregas
Revelam-se chumbregas

***

Que caráter bélico
Tem o pastor
Que se diz evangélico

***

Político fantástico!
Tem senso ético
Pra lá de elástico

***

Conservador
Despreza o riso
E conserva a dor

***

São Paulo é um cidadão!
Muitos moradores,
É que não são.

***

Lembre-se: habitação
Pode ser barraco,
Não é só mansão

***

Cega justiça!
Sua cegueira
Parece postiça

***

Império do norte
Promete vida
E causa morte

***

Para os devastadores,
O cerrado
É caso encerrado

***

Regime teocrático
É coisa do demo,
Não é democrático

***

Sentindo-se sucata
Morador de rua
Inveja o vira-lata

***

Constituição…
Que gênero mais chato
De ficção!

***

É fundamental
A quem não tem fundamento
Ser fundamentalista

***

Pouco riso
Nem sempre
É muito siso

***

Banqueiro dos bons
Não morre de amores
Por ladrões amadores

Mouzar Benedito
Mineiro de Nova Resende, é geógrafo, jornalista e também sócio fundador da Sociedade dos Observadores de Saci (Sosaci).

Conheça mais no Blog do Mouzar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *